Uma governabilidade querida e desejada por todos

Leviathan - Leviatã* (1651)

Leviathan – Leviatã* (1651)

No livro Leviatã, o filósofo Thomas Hobbes delineia estruturalmente a formação do Estado num sentido de princípios fundamentais embasados em instâncias necessárias para a formulação do desenvolvimento da ordem social imersa na instituição estatal.

Desse modo, a democracia ou governo popular, exposto pelo autor em questão, é uma espécie de governo aparentemente favorável, uma vez que seja levantada ante o desejo social dos homens. Há um prevalecimento da obrigação efetivada da escolha dos homens, num sentido pleno, levando em conta que o desejo popular resultará na manutenção de um governo de poder soberano em sentido geral, dependendo, obviamente, da espécie.

O interessante na parte dedicada ao Estado do clássico da literatura filosófica moderna é a parte em que Hobbes apresenta a democracia como espécie de governo, e, posteriormente, o prevalecimento fundamental que norteia e que estabelece parâmetros fundamentais da instituição do modelo de governo. De fato, a análise feita pelo autor se torna bastante atual. Há uma consideração que, em palavras mais simples, diz: não se pode levar em conta que uma espécie de governo deixe de ser por si só o que é devido a enquadramentos opinativos ou interesses que satisfaçam particularidades.

Com efeito, essa expressão dita de outra forma, mas buscando ser fiel à consistência de significação, apresenta uma concepção bastante equilibrada que dialoga, portanto, com as enumerações modeladoras dos governos cogitados por Hobbes.

brasil

Tudo isso se configura contemporâneo quando se atravessa no Brasil um momento histórico, em que posturas distintas emergem no cenário social e se busca ou uma deturpação teórica favorável da estrutura ou uma mudança conjuntural.

Felizmente e graças à assim chamada por Hobbes espécie de governo em que o Brasil está inserido, pode-se manter o clima desses dias turbulentos no âmbito sociopolítico. Sendo assim, a democracia alcançada e esclarecida precisa ganhar rumos favoráveis à população, para que a ordem social possa ser restabelecida mediante uma governabilidade querida e desejada por todos.

Felipe Augusto Ferreira Feijão
Estudante de Filosofia da Faculdade Católica de Fortaleza – FCF
Fonte: Publicado no Jornal O Estado (Opinião / Democracia esclarecida), Fortaleza-Ce, 16 de março de 2016.

Mais sobre a Obra Leviatã (1651):

Um dos maiores clássicos da filosofia política, o Leviatã – ou matéria forma e poder de um Estado eclesiástico e civil é considerado um dos primeiros e mais influentes tratados acerca da teoria do contrato social. A partir de uma profunda análise da natureza humana, Hobbes propõe uma reestruturação da sociedade baseada em um contrato social e no governo de um soberano absoluto. Produzido na efervescência da Guerra Civil Inglesa, este livro tornou-se um ícone do pensamento político moderno, centrado em um modelo de obediência à autoridade. (Fonte: Editora Edipro / Site Submarino).